Realize ações propostas no site e promova pessoas melhores.

Realize ações propostas no site e promova pessoas melhores.

País desenvolvido se constrói com pessoas bem educadas e bem instruídas.

País desenvolvido se constrói com pessoas bem educadas e bem instruídas.

Estudar para aprender significa estudar pouco, mas todo o dia.

Estudar para aprender significa estudar pouco, mas todo o dia.

Quem tem o hábito de ler amplia sua inteligência e pode ter uma vida melhor.

Quem tem o hábito de ler amplia sua inteligência e pode ter uma vida melhor.

Escola | Livros

Professor não é Educador

Professor não é Educador

Autor: Armindo Moreira

Em Professor não é Educador, pretende-se mostrar que o professor não deve ser educador de seus alunos, que é nocivo dar ao professor a missão de educar; que a função do professor é instruir, e que educar e instruir são coisas muito diferentes. E, por se referirem de algum modo ao ensino, outros assuntos são analisados, entre eles: o hábito de ler, como aprender redigir com facilidade, currículos escolares, preparo das direções de escolas, o que é ensino de qualidade, etc.

Os neurônios da Leitura - Como a ciência explica a nossa capacidade de ler

Os neurônios da Leitura - Como a ciência explica a nossa capacidade de ler

Autor: Stanislas Dehaene

Este livro revela a lógica oculta da ortografia, descreve uma pesquisa pioneira sobre a forma como são processadas as línguas e o sistema de linguagem e reforça a capacidade extraordinária que o cérebro tem de se adaptar. Como a ciência explica a nossa capacidade de ler.
Obs. Melhor livro científico do ano(2012), segundo o Washington Post.

Ensinando Inteligência - Vol. III

Ensinando Inteligência - Vol. III

Autor: Pierluigi Piazzi (Prof. Pier)

Foi, desde pequena, a melhor aluna da sala em uma escola de elite e… não conseguiu passar no vestibular! Formou-se com boas notas em um curso de direito de primeira linha e… não conseguiu passar na OAB! Todos ótimos alunos e… péssimos estudantes! Vítimas de uma pedagogia obtusa e de um sistema escolar que valoriza quem “estuda” para tirar nota, não quem estuda de verdade, para aprender. Este livro é o primeiro passo rumo a uma reviravolta no ensino, para livrar nossas escolas de métodos e modismos equivocados que levaram o Brasil a ter um dos piores sistemas educacionais do mundo. Reverter essa triste situação, por incrível que pareça, é simples. Basta incorporar à pedagogia as mais recentes descobertas das neurociências. O cérebro humano é um universo maravilhoso e, estudando suas peculiaridades, é fácil perceber que inteligência e aptidão são qualidades aprendidas. Logo, o compromisso de nossas escolas deveria ser o de ENSINAR INTELIGÊNCIA.

Aprendendo Inteligência - Vol. I

Aprendendo Inteligência - Vol. I

Autor: Pierluigi Piazzi (Prof. Pier)

Durante muito tempo acreditou-se que a inteligência fosse uma característica inata do ser humano. Porém, os avanços da neurociência têm demonstrado que inteligência, talento e vocação são atributos que podem ser adquiridos com facilidade e um pouco de esforço. Neste livro, dedicado aos estudantes de todos os níveis, Pierluigi Piazzi, o Prof. Pier, ensina como usar a inteligência para se tornar uma pessoa mais inteligente. “Aprendendo Inteligência” apresenta um panorama do que há de incorreto nas escolas e na maneira como os alunos encaram os estudos, além de demonstrar, de forma simples, como os erros mais comuns podem ser evitados. Também oferece preciosas dicas de como aproveitar melhor o tempo – por incrível que pareça, estudando menos e aprendendo mais!

A Vida na Sarjeta: O Círculo Vicioso da Miséria Moral

A Vida na Sarjeta: O Círculo Vicioso da Miséria Moral

Autor: Theorore Dalrymple

Este livro é um relato pungente da vida da subclasse inglesa – e das razões de as pessoas persistirem nessa vida – escrito por um psiquiatra que cuida de uma clientela de baixa renda em um hospital de periferia e dos detentos de uma penitenciária de Londres. A percepção fundamental do Dr. Dalrymple é a de que a pobreza continuada não tem causas econômicas, mas encontra fundamento em um conjunto de fatores disfuncionais, continuamente reforçados por uma cultura de elite em busca de vítimas.

A Dignidade Ultrajada - Ser professor do ensino público nos dias atuais

A Dignidade Ultrajada - Ser professor do ensino público nos dias atuais

Autor: Kátia Simone Benedetti

“A Dignidade Ultrajada - Ser professor do ensino público brasileiro nos dias atuais” nasceu da experiência docente e acadêmica da autora e objetiva ser um manifesto em defesa dos professores e da profissão docente. Aqui são discutidos problemas enfrentados pelos professores e pelas escolas públicas, numa análise sólida e respaldada em suporte teórico. Traz críticas às abordagens dominantes, mostrando como provocaram a desvalorização dos profissionais da área e a queda na qualidade do ensino formal. Traz ainda sugestões de políticas públicas embasadas em estudos científicos, objetivando melhorias nas condições de trabalho dos profissionais e na qualidade do ensino público, para que no futuro as escolas passem a ser modelo de qualidade e professores não tenham mais sua dignidade ultrajada.

Livros que inspiraram O Movimento

Professor não é Educador

Professor não é Educador

+ Detalhes
Aprendendo Inteligência

Aprendendo Inteligência

+ Detalhes
Estimulando Inteligência

Estimulando Inteligência

+ Detalhes
Ensinando Inteligência

Ensinando Inteligência

+ Detalhes

Depoimentos

Décio Adams

Nesse texto encontrei uma passagem que eu aplicava nos meus anos de estudos no Seminário, na época Ginásio. Até latim estudei e aprendi. O que nunca deixava de fazer era escrever, reescrever. Quando o conteúdo estava em um livro, eu lia o texto com atenção e fazia um resumo com o que ficara memorizado. Comparava o resumo com o texto e completava as lacunas existentes e assim me tornei um aluno destacado em todas as disciplinas. Não havia aquela em que eu não fosse o detentor de uma das melhores notas ao final de cada período de avaliação. Não foi por nada que, enquanto essa prática persistiu, estava praticamente sempre classificado em um dos três primeiros lugares da turma, na hora da Leitura de Notas e classificação em lugares por média final. Maior parte das vezes era o primeiro, algumas o segundo ou terceiro. Isso me deixou com um sentimento inicialmente de superioridade, mas depois percebi que tinha descoberto uma forma particular de aprender qualquer conteúdo. Assim passei o resto de minha vida escolar, depois acadêmica. Fiz diversos concursos e praticamente em todos fui aprovado. Ao escrever, fazemos exatamente o que diz o texto: escrevemos no cérebro. O movimento das mãos ao redigir o texto gravam nas estruturas neuronais da memória de modo indelével o teor do que foi estudado, escrito.
Deixe seu depoimento